domingo, 22 de janeiro de 2017

Resenha: Magnus Chase e os deuses de Asgard - O Martelo de Thor de Rick Riordan

12:39:00


Livro: O Martelo de Thor
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Compre: Amazon
Sinopse: Em A espada do verão, primeiro livro da série, os leitores são apresentados a Magnus Chase, um herói boa-pinta que é a cara do astro de rock Kurt Cobain. Morador de rua, sua vida muda completamente quando ele é morto por um gigante do fogo. Por sorte, na mitologia nórdica os heróis mortos vão parar em Valhala, o paraíso pós-vida dos guerreiros vikings. Lá, Magnus descobre que é filho de Frey, o deus do verão, da fertilidade e da medicina.

Desde então, seis semanas se passaram, e nesse meio-tempo o garoto começou a se acostumar ao dia a dia no Hotel Valhala. Quer dizer, pelo menos o máximo que um ex-morador de rua e ex-mortal poderia se acostumar. Magnus não é tão popular quanto os filhos dos deuses da guerra, como Thor e Tyr, mas fez bons amigos e está treinando para o dia do Juízo Final com os soldados de Odin - tudo segue na mais completa paz sanguinolenta do mundo viking.

Mas Magnus deveria imaginar que não seria assim por muito tempo. O martelo de Thor ainda está desaparecido. E os inimigos do deus do trovão farão de tudo para aproveitar esse momento de fraqueza e invadir o mundo humano.



ResenhaEu acho que a leitura dos livros do Tio Rick podem ser alguns dos momentos mais felizes da minha vida - eu não estou brincando. Ele tem esse humor nato que ressoa em seu trabalho e faz de seus livros algo agradável de ler. Magnus Chase e os deuses de Asgard - O Martelo de Thor não foi exceção, e foi fantástico do inicio ao fim. Eu realmente gostei mais deste do que do primeiro livro, em partes porque nos introduziu novos personagens.

Normalmente eu devoro os livro do Rick como um chocólatra, ao qual lhe é oferecido chocolate ilimitado. Ou seja, sem hesitação ou consideração por aqueles que me rodeiam.

Mas desta vez eu consumi O Martelo de Thor um pouco mais devagar. Não porque eu não estivesse apreciando a leitura. Na verdade, eu acho que essa é uma das histórias mais profundas e abrangentes que o Rick já escreveu. Ele introduziu um tipo de personagem raramente encontrado na literatura, e minha esperança é que as crianças, adolescentes e até mesmo adultos podem encontrar espaço para começar a compreender e aceitar aqueles que são diferentes.

A introdução de Alex Fierro como um(a) adolescente fluido de gênero é reconhecidamente um risco. Haverá sempre uma parte da população que não querem que seus filhos sejam "expostos" as realidades da vida.

Com a série Magnus Chase e os deuses de Asgard, Riordan criou um livro abrangente, onde ha personagens de cores, de diferentes religiões e deficientes. Alex é mais um passo na direção certa, expondo os leitores a pessoas diferentes do que nos permitimos ver.

Não é só Alex que traz profundidade ao livro. Mais uma vez Samirah está lutando para equilibrar seus deveres como Valquíria, com seus deveremos como estudante, neta e agora futura esposa. No entanto, ela ainda sabe o que quer da vida. Ela não questiona sua religião ou seu amor por seu noivo. Ela é uma mulher de força e vulnerabilidade que está fazendo o melhor com o que lhe é oferecido. 

O Martelo de Thor pode ser sobre a busca para salvar o mais famoso artefato do deus nórdico, mas isso é apenas o enredo. O verdadeiro coração do livro vem a partir dos personagens e suas escolhas. Todo mundo luta com seus próprios obstáculos e sucede em sua própria maneira. Nem tudo é resolvido até o final do livro, mas há sempre esperança. E às vezes a esperança é apenas o que você precisa.

Obrigado Tio Rick 💙.

Detalhes:

Título: O Martelo de Thot
Autor (a): Rick Riordan
Tradução: 
Regiane Winarski
ISBN: 
978-85-510-0070-0
Tipo de Capa: Brochura
Número de Páginas: 400

sábado, 14 de janeiro de 2017

Conheça "Somos Todos Extraordinários" novo livro da autora R.J. Palacio

15:56:00

Extraordinário é a história inesquecível de Auggie Pullman, um garoto comum com um rosto extraordinário. Com mais de 5 milhões de cópias vendidas, Extraordinário é um verdadeiro clássico moderno, uma leitura de mudança de vida, que tem inspirado bondade e aceitação em inúmeros leitores. Agora os leitores podem descobrir uma maravilhosa mensagem com este livro, estrelado por Auggie e sua companheira Daisy em uma aventura original, escrito e ilustrado por R.J. Palacio.


Com texto poderoso e ilustrações ricamente detalhadas, Somos Todos Extraordinários mostra aos leitores o que é viver no mundo de Auggie - um mundo no qual ele se sente como qualquer outro garoto, mas ele nem sempre é visto dessa forma.




Somo Todos Extraordinários gira em torno do desejo de cada criança de pertencer, e ser visto por quem eles realmente são. É a maneira perfeita para as famílias e os professores para falar sobre a empatia, diferença e bondade com crianças pequenas.



O livro será lançado nos EUA em março. No Brasil o livro será editado pela Editora Intrínseca, mas ainda sem previsão de lançamento. 

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Adaptação de Extraordinário ganha data de estreia no Brasil

20:13:00

A adaptação de Extraordinário, filme baseado no best-seller de R.J. Palacio, ganhou data de lançamento nos cinemas nacionais. 11 de Maio de 2017.

Auggie Pullman é vivido por Jacob Tremblay (O Quarto de Jack). Julia Roberts interpreta a mãe de Auggie, Owen Wilson será o pai e Sonia Braga (Aquarius) sua avó. Stephen Chbosky (As Vantagens de Ser Invisível) dirige. Jack Thorne (Uma Longa Queda) e Steve Conrad (À Procura da Felicidade) escreveram o roteiro.

Notícias relacionadas

domingo, 16 de outubro de 2016

Resenha: Como Eu Era Antes de Você de Jojo Moyes

13:18:00


Livro: Como Eu Era Antes de Você
Autor: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Compre: Amazon
Sinopse: Em Como eu era antes de você, Lou Clark é uma jovem cheia de vida e espontaneidade, que sabe uma porção de coisas. Ela sabe quantos passos separam sua casa do ponto de ônibus. Sabe que adora trabalhar como atendente em um café e sabe que provavelmente não ama seu namorado, Patrick. O que Lou não sabe é que está prestes a perder o emprego, e que isso a obrigará a repensar toda sua vida.

Will Traynor, por sua vez, sabe que o acidente com a motocicleta tirou dele a vontade de viver. Ele sabe que o mundo agora parece pequeno e sem graça, e sabe exatamente como vai dar um fim a tudo isso.

O que Will não sabe é que a chegada de Lou vai trazer de volta a cor à sua vida. E nenhum deles desconfia de que esse encontro irá mudar para sempre a história dos dois.



Resenha (contém spoiler)Quando eu terminei este livro, lágrimas escorrendo pelo meu rosto. Era poderoso, de partir o coração, mas também estranhamente reconfortante. Absolutamente inesquecível. Eu honestamente acho que é impossível chegar ao final deste livro sem uma enorme sensação de gratidão por todas as bênçãos em sua vida.

Eu vou ser honesto, Moyes despedaçõu meu coração, mas ela também abriu meus olhos, e por isso eu sou grato (mas continuo magoado com o desfecho, doeu muito aceitar).

Louisa está desesperada por um emprego e aceita uma posição como cuidadora de um homem tetraplégico. Will Traynor, um homem de negócios que viveu uma vida emocionante de ação e aventura sofre um grave acidente que deixou a maior parte de seu corpo paralisado. Agora confrontado com a realidade médica de que ele nunca vai se recuperar, toda a sua visão sobre a vida mudou e ele tomou uma decisão chocante, mas ainda estranhamente compreensível.

E é aí que Lou entra em cena.

Foi realmente trágico de ver esse cara que tinha tanta energia ser tão fortemente e permanentemente confinado. Ele foi preso dentro de seu próprio corpo e, como leitor, eu podia realmente sentir a sua frustração.

Pela primeira vez desde o acidente, Lou trouxe momentos de alegria em sua vida, mesmo Will estando irritado, temperamental, e não tendo nenhum desejo de estabelecer qualquer tipo de amizade com ela (mas nada que o tempo não resolva). Mas à medida que os dias foram passando, as coisas começaram a mudar lentamente entre eles.

Esta história foi tranquilamente cativante, me prendeu desde as primeiras palavras. É um livro de ritmo lento, o que neste caso não é ruim (você vai entender quando ler... por favor leia) e ainda assim eu não queria colocá-lo de lado.

Eu estou em desacordo com o quanto eu deveria falar sobre este livro. Não quero estragar a sua leitura, mas ao mesmo tempo quero te contar tudo. Então...

Se você não quer saber mais nada sobre a história antes de ler, você pode simplesmente parar aqui ou clique para comprar o livro. MAS…. se você quiser ter uma ideia da forma como tudo termina, então continue a ler.

Essencialmente, antes do início do livro, Will tomou uma decisão firme, clara-mente que ele não deseja continuar sua vida nesta condição. Não era uma decisão instável feita pelos efeitos da depressão ou raiva, mas sim uma baseado em fatos médicos e escolha pessoal.

Louisa descobriu sobre sua escolha relativamente cedo, obviamente ela ficou horrorizada e decidiu fazer tudo em seu poder para convencê-lo a mudar de ideia. Eu penso que era uma reação muito natural querer agarrar-se a esperança de um futuro melhor e a crença de que sempre deve existir uma maneira.

Este não é um conto de fadas é uma história dolorosamente real e honesta.

É doloroso admitir, mas eu sinto que, dadas as circunstâncias da situação de Will e o que ele queria para sua vida, foi compreensivo sua decisão. É um ato incrivelmente altruísta amar alguém suficiente para colocar sua felicidade em primeiro lugar, mesmo à custa da sua própria.

Há tantas lições de vida valiosas incorporados nesta história - para encontrar um propósito na vida, para seguir suas paixões, a nunca desperdiçar um único momento - e eu sinto que essa história dá um lembrete importante para valorizar cada minuto, e valorizar tudo e todas as coisas.

Tudo é precioso. Seja grato por cada um deles. Leia este livro.


Detalhes:

Título: Como Eu Era Antes de Você
Autor (a): Jojo Moyes
Tradução: 
Beatriz Horta
ISBN: 
978-8580579246
Tipo de Capa: Brochura
Número de Páginas: 368

Resenha: Pax de Sara Pennypacker

12:24:00


Livro: Pax
Autor: Sara Pennypacker
Editora: Intrínseca
Compre: Amazon
Sinopse: Peter e sua raposa são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra, e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde passará a morar, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas.

Alternando perspectivas para mostrar os caminhos paralelos dos dois personagens centrais, Paxexpõe o desenvolvimento do menino em sua tentativa de enfrentar a ferocidade herdada pelo pai, enquanto a raposa, domesticada, segue o caminho contrário, de explorar sua natureza selvagem. Um romance atemporal e para todas as idades, que aborda relações familiares, a relação do homem com o ambiente e os perigos que carregamos dentro de nós mesmos.

Pax emociona o leitor desde a primeira página. Um mundo repleto de sentimentos em que natureza e humanidade se encontram numa história que celebra a lealdade e o amor.


Resenha"Pax" é a história de uma viagem. É a história de um menino e sua raposa, Peter e Pax. Uma história de amizade e lealdade e de guerra e paz.

Peter tem uma raposa de estimação, Pax, a qual ele ama muito. Como uma guerra está prestes a começar, o pai de Peter teve de partir, e Peter é enviado para viver com seu avô, e Pax é deixado para trás na floresta.

Armado apenas com uma mochila cheia de manteiga de amendoim (o favorito de Pax), 
duas laranjas, sacos de lixo (para usar como um poncho na chuva), um sua luva de basebol e mais algumas coisas, Peter decide fazer a caminhada de 300 milhas de volta para casa para encontrar Pax novamente. O Menino e a raposa são inseparáveis, eles fazem viagens paralelas em relação um ao outro na esperança de se reencontrar. O curso é difícil para Peter e Pax, mas sua ligação é tão forte que eles devem prevalecer.

A jornada de Peter e Pax vai levá-los longe de casa. Eles vão conhecer pessoas (e outras raposas), que irá mudar suas vidas, e por sua vez, também vai fazer a diferença no mundo em que vivem.

"Pax" é um livro surpreendente e tem sido o meu favorito até agora. Eu gosto de como o livro começa com Pax e Peter desfrutar de todos os aspectos da vida em conjunto e, em seguida, eles se separam. Mesmo que em algumas partes é triste, ele torna o livro mais emocionante e os sentimentos mais reais. 


A escrita de Pennypacker é viva e cheia de emoção, em poucas palavas Sara transporta você para o mundo de Peter e Pax, e desperta todas as suas emoções.

Pax é um belo livro com belas ilustrações e uma história que eu nunca vou esquecer. Foi cativante, emocionante e muito, muito triste - triste o suficiente para fazer cair algumas lágrimas.


Pax é no melhor sentido a junção de “Extraordinário” e “O Pequeno Príncipe”, é um livro sobre amizade verdadeira, família, perda e manter aquilo que te faz feliz por perto.


Detalhes:

Título: Pax
Autor (a): Sara Pennypacker
Tradução: 
Regiane Winarski
ISBN: 
978-8551000229
Tipo de Capa: Capa Dura
Número de Páginas: 288

sábado, 1 de outubro de 2016

John Green fala sobre a pressão de escrever um novo livro, “Não sei se vou publicar outro livro”

19:20:00

John Green publicou um vídeo em seu canal do YouTube no dia 20 de setembro, desabafando sobre a pressão para escrever o sucessor do grande sucesso "A Culpa é das Estrelas". Lembrando que o livro foi lançado em janeiro de 2012 e desde então o autor não publicou mais nenhum livro.

No vídeo, Green comenta que se dedicou a outros projetos e não sentia mais a vontade de escrever, muito pelo fato de sentir que precisava superar, de alguma forma, "A Culpa é das Estrelas".





“Estava trabalhando duro em um livro novo sobre adolescentes com identidades roubadas, mas não estava dando certo. Parcialmente, o conceito era falho. Sempre quis escrever um thriller, mas não sou bom em escrever essas coisas. (…) Também comecei a sentir uma pressão intensa, como se as pessoas ficassem olhando por cima dos meus ombros enquanto eu escrevo.”

Depois, ele tentou escrever outra história, que também não foi para frente — ao mesmo tempo, o roteiro da adaptação para os cinemas começou a ser criado.

“Em algum momento nessa época meu trabalho deixou de ser ‘a pessoa que escreve livros’, algo no presente, e se transformou em ‘a pessoa que escreveu aquele livro’, um trabalho no passado. (…) Eu estava grato por mais pessoas estarem lendo ‘A Culpa é das Estrelas’, mas ao mesmo tempo estava com medo porque achei que nunca conseguiria continuar!”


John desabafou mais:
“Escrever costumava ser uma maneira sã e segura de colocar para fora os meus pensamentos obsessivos, mas de repente não era mais assim e eu percebi que poderia parar. (…) Eu sinto falta de escrever, mas do mesmo jeito que você sente falta de alguém que já amou. E aí um ano atrás eu voltei a escrever algo só por escrever, pela diversão. E esse se tornou um bom motivo para escrever. Mas mesmo assim, é meio difícil falar sobre isso porque essas histórias costumam ser de superação, [como] ‘Eu falhei, mas superei e fiz mais sucesso do que nunca!’ E não faço a mínima ideia se isso acontecerá comigo. Eu não sei se vou publicar outro livro. E se eu publicar, não sei se as pessoas vão gostar. Sei que provavelmente não vão gostar tanto quanto ‘A Culpa é das Estrelas’. Espero terminar o livro que estou escrevendo, espero que vocês gostem, mas eu não sei. Mas acho que o que mudou foi que estou bem em não saber. Eu costumava ter muita certeza, costumava ter essas crenças sobre livros e escrita e como ser um autor. Agora essas crenças estão abaladas. Isso é desconfortável, mas também produtivo, acho.”

Fonte

Patrick Wachsberger confirma filme de "Divergente" para a TV

19:18:00

Em conversa com o ScreenDaily, o co-presidente da Lionsgate, Patrick Wachsberger, confirmou que "Divergente" ira ganhar um filme para a TV.

"É uma decisão justa. Este é o plano. A propriedade foi movida para a divisão de TV agora.”, disse Patrick. A ideia é terminar a saga com um telefilme, que acabaria mostrando personagens novos e por fim, se tornando uma série de TV. "O desempenho do último filme nos cinemas comprometeu os recursos que precisávamos para fazer a produção necessária que os fãs mereciam".

À partir desta informação, já sabemos que o elenco original – formado por Shailene WoodleyAnsel Elgort, Theo James e Miles Teller – não estará presente no projeto, já que a protagonista afirmou que o contrato que fecharam era para um filme, não uma série de TV. "A última coisa que eu ouvi é que eles queriam fazer uma série e um filme para TV. Eu não assinei contrato para fazer TV. Eu respeito a decisão dos produtores e sei que eles mudaram de ideia, mas não estou interessada em fazer TV".

Noticias ruins para os fãs de Divergente e boas para os fãs de Crepúsculo.

Na mesma entrevista, o produtor ainda comentou sobre a possibilidade de retorno de Crepúsculo, que acabou com Amanhecer – Parte 2 em 2012.

"É uma possibilidade. Não é certeza, mas é possível. Tudo depende da Stephanie [a autora dos livros]. Se ela quiser contar uma história relacionada àqueles personagens nós estamos aqui esperando.”, explicou.

"Ascendente" tinha estreia prevista para junho de 2017. Por enquanto, ainda não sabemos qual será a nova data.

Shailene Woodley não retorna para o último filme da saga ‘Divergente’

19:17:00

Em entrevista a Screen Rant, Shailene Woodley afirmou que não retornará para o último filme da série "Divergente", que teve sua estreia nos cinemas cancelada após o péssimo desempenho do último filme.
"Eu ouvi que eles vão fazer um telefilme e uma série, mas eu não assinei contrato para fazer TV. Respeito a decisão dos produtores e sei que eles mudaram de ideia, mas eu não estou interessada em fazer um filme para a TV", afirmou.

Recentemente o ator Miles Teller (Quarteto Fantástico) também revelou que não deve retornar em "A Série Divergente: Ascendente".

O CEO Jon Feltheimer confirmou à Variety que o estúdio está planejando um filme para a TV, que levará a uma primeira temporada com 10 ou 13 episódios.


"O desempenho do último filme nos cinemas comprometeu os recursos que precisávamos para fazer a produção necessária que os fãs mereciam", afirmou.

Sônia Braga será mãe de Julia Roberts em “Extraordinário”

19:13:00

Segundo o site The Hollywood Reporter, a atriz Sônia Braga foi confirmada no novo drama de Stephen Chbosky (As Vantagens de ser Invisível), baseado no livro de R.J. Palacio.

Sônia Braga vai atuar ao lado de Julia Roberts, Jacob Tremblay e Owen Wilson. Na história, Braga viverá a mãe de Julia Roberts, que é brasileira no livro.


"Extraordinário" contará a emocionante história de August “Auggie” Pullman, um garotinho de 10 anos com uma rara deformidade facial. O filme é a adaptação do livro homônimo de R.J. Palacio.

"Extraordinário" chega aos cinemas norte-americanos em 7 de abril de 2017 e ainda não tem data de lançamento no Brasil.

Conheça o "Labirinto" de Jim Henson

19:10:00



Trinta anos sem perder a magia.
Uma história imortal para fãs dos Muppets, Star Wars, Monty Python e David Bowie. 


A DarkSide Books desenterra mais um clássico e traz o livro com a versão romanceada do cult movie de 1986, LABIRINTO. Dizer que Labirinto é o trabalho de um gênio não seria o suficiente para definir essa inesquecível história. O mais correto seria usar o adjetivo no plural: Labirinto, o filme, contou com um verdadeiro time de gênios. E se você pensa que estamos exagerando, que tal conferir sua ficha técnica?

 

A história foi idealizada e dirigida por Jim Henson, o criador dos Muppets, Vila Sésamo e Família Dinossauro. Quem assinou o roteiro foi Terry Jones, um dos fundadores do revolucionário grupo de humor inglês Monty Python. George Lucas – ele mesmo! – coproduziu o longa-metragem. E no elenco, dois nomes de peso. A começar pela encantadora Jennifer Connelly, de Hulk, Rocketeer e Uma Mente Brilhante. Jennifer ainda era uma adolescente em Labirinto, mas já começava a brilhar após ter sido recém descoberta pelo mestre Sergio Leone, que a dirigiu na obra-prima Era Uma Vez Na América. Claro que o grande astro do filme foi o imortal David Bowie, em um dos seus papéis mais marcantes no cinema: o de Rei dos Duendes.





A história é aquela a que você deve ter assistido um milhão de vezes na Sessão da Tarde, a menos que tenha passado sua infância em Marte ou na Sibéria. E ainda assim, LABIRINTO, o livro, é capaz de lhe surpreender como se fosse a primeira vez.

A jovem Sarah não aguenta mais servir de babá para seu meio irmão, o pequeno Toby, e como brincadeira deseja que o bebê chorão desapareça. O que deveria ser apenas uma provocação acaba se tornando real como um pesadelo. O Rei dos Duendes atende prontamente ao seu pedido, e leva o menino para um universo paralelo configurado como um gigantesco labirinto.





Agora, Sarah precisa correr contra o tempo se quiser mesmo salvar seu irmão. Ela só tem até a meia-noite para impedir que Toby se transforme de vez em um duende. E, na verdade, Jareth tem outros planos para Sarah: ele está a procura de uma rainha para ficar ao seu lado e ser amada por todos na Cidade dos Duendes.

A edição da DarkSide é com aquele padrão de qualidade quase psicopata, do jeito que os fãs já estão acostumados desde o lançamento de Os Goonies, em 2012, o primeiro título da editora. LABIRINTO vem em capa dura, com o design inspirado no livro que a personagem de Jennifer Connelly lê no filme.




Atravesse novamente o Labirinto e se emocione com a narrativa fantástica de Jim Henson, transcrita para o papel nas mãos habilidosas do poeta e dramaturgo britânico, A.C.H. Smith. A edição apresenta ainda, pela primeira vez, as ilustrações dos duendes feitas por Brian Froud, que trabalhou no filme, além de trechos inéditos e nunca vistos com 50 páginas do diário de Henson, detalhando a concepção inicial de suas ideias para LABIRINTO, comemorando os 30 anos do filme em grande estilo.




JIM HENSON não é a mamãe. Ele é o pai do Caco, o Sapo; da Miss Piggy; de Beto e Ênio; do Gonzo e do Urso Fozzie; de Garibaldo; de Dino e do Baby da Silva Sauro, entre inúmeros personagens que marcaram a infância de todas as muitas gerações nascidas nos últimos cinquenta anos. Contribuiu com George Lucas, fã assumido dos Muppets, no desenvolvimento do mestre Jedi Yoda. Roteirista, diretor, manipulador e dublador de fantoches, Jim Henson foi um artista completo, que o mundo teve a tristeza de perder em 16 de maio de 1990. Saiba mais em henson.com.

A.C.H. Smith é um escritor e dramaturgo inglês. Sua obra inclui mais de doze romances e vinte peças teatrais. Smith se especializou na novelização de roteiros cinematográficos, entre eles as versões literárias de dois filmes de Jim Henson, Labirinto e O Cristal Encantado. Para adaptar Labirinto, A.C.H. Smith se divertiu bastante consultando o roteirista original do filme, o Monty Python Terry Jones, e incluiu no livro cenas cortadas do longa-metragem. Saiba mais em achsmith.co.uk.


Por mais de 35 anos, Brian Froud tem sido considerado o preeminente artista e ilustrador de fantasia e uma autoridade em fadas. Seu best-seller internacional, Faeries, feito em parceria com Alan Lee, ilustrador das obras de Tolkien, é um clássico moderno. Seu trabalho marcante com Jim Henson como designer conceitual dos filmes O Cristal Encantado e Labirinto estabeleceu novos padrões para o design, o uso de marionetes e a animatrônica no cinema e são considerados marcos na evolução dos efeitos especiais. Saiba mais em worldoffroud.com.

Ficha Técnica


Título: Labirinto
Autor: Jim Henson e A.C.H. Smith
Ilustrador: Brian Froud
Tradutora: Giovana Louise

Editora: DarkSide®
Edição: 1a
Idioma: Português
Especificações: 272 páginas (estimadas)
Dimensões: 14 x 21 cm


Conheça "O Homem que Caiu na Terra"

19:09:00

Poesia e beleza de outro mundo.

O HOMEM QUE CAIU NA TERRA tornou-se um verdadeiro clássico da literatura e uma das mais refinadas, sutis e delicadas ficções científicas já escritas. Publicado originalmente em 1963, ganhou reconhecimento em todo o planeta com a adaptação para o cinema dirigida por Nicolas Roeg em 1976. O filme também marcou a estreia de David Bowie no cinema encarnando o protagonista alienígena - para quem o papel parecia ter sido especialmente pensado (o que não foi o caso): um ser andrógino, impúbere, alto para os padrões terráqueos, delicado, magro, polido e que tenta se adaptar à vida terrestre para sobreviver entre os humanos.


Thomas Jerome Newton veio de Anthea para a Terra em uma missão desesperada para salvar os poucos habitantes que ficaram em seu longínquo e desconhecido planeta. Para isso, precisa construir aqui uma nave que possa trazer os 300 de sua espécie que ainda vivem em um planeta onde a água acabou e os recursos são cada vez mais escassos.

Com conhecimento e inteligência muito superior aos humanos, Newton logo se torna um bem sucedido empresário do ramo de patentes tecnológicas e também descobre a solidão, o desespero e o álcool - criando uma delicada parábola sobre as mudanças que estavam ocorrendo entre os anos 1950, com o início da Guerra Fria.





Escrito com vigor e com uma prosa carregada de tensão poética, Walter Tevis produziu uma das ficções científicas mais realistas sobre um alienígena que vai absorvendo o dia a dia, o jeito e os vícios humanos aos poucos. Realista o suficiente para se tornar uma metáfora daquilo que todos nós carregamos: uma indescritível angústia e solidão existencial.


A trajetória fugaz de Newton em uma Terra que já começava a acelerar seus passos rumo à degradação acaba por dizer algo urgente sobre a nossa vida e o propósito dela aqui, muito mais do que fazer refletir sobre a longínqua Anthea.



Bowie eternizou o personagem com seu estranho olhar, sotaque e cabelos laranjas incandescentes e deu vida a uma constelação de possibilidades para nós, simples terráqueos. Ziggy, Major Tom, Alladin Sane, Halloween Jack são poeira desse extraterrestre que transformou a cena musical, o cinema e a cultura pop.

A DarkSide® vai resgatar as origens do mestre camaleão e sua incursão no mundo da sétima arte. Livros que marcaram gerações e também transformaram a cabeça de Bowie e o levaram a sonhar muito além do céu e da terra. Ele se tornou uma estrela real e se juntou às constelações para continuar a nos guiar por lugares e mundos que ainda não exploramos. A nossa viagem só está começando. Obrigado, Major Tom. Obrigado Mr. Tevis.





Walter Tevis (1928–1984) nasceu em São Francisco, Califórnia. Foi professor de literatura na Universidade de Ohio e autor de romances e contos traduzidos em pelo menos 18 idiomas. Três dos seis romances que escreveu foram adaptados para o cinema: The Hustler (1959), The Color of Money (1984) e O Homem que Caiu na Terra (1963). Este, dirigido por Nicolas Roeg em 1976, marca a estreia de David Bowie como ator. O filme logo se tornou um clássico e influenciou a cultura pop como poucas outras obras de ficção científica. Saiba mais em waltertevis.com.



Ficha Técnica

Título: O Homem que Caiu na Terra
Autor: Walter Tevis
Tradutora: Taissa Reis
Editora: DarkSide®
Edição: 1a
Idioma: Português
Especificações: 224 páginas (estimadas)
Dimensões: 14 x 21 cm

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Jacob Tremblay irreconhecível na primeira foto do filme Extraodinário

19:55:00

Fãs do livro “Extraordinário” preparem o coração pois saiu a primeira foto de Jacob Tremblay como Auggie.

Na foto, divulgada pela revista People, Jacob Tremblay (O Quarto de Jack) aparece completamente irreconhecível ao lado de Julia Roberts, que será a mãe dele na história.


A adaptação do livro de R. J. Palacio tem estreia prevista para abril de 2017 nos EUA. O longa será dirigido por Stephen Chbosky, autor de As Vantagens de Ser Invisível. O roteiro ficará a cargo de Steve Conrad, de À Procura da Felicidade, e Todd Lieberman e David Hoberman serão os produtores do filme.

Notícias relacionadas

Divulgada as primeiras fotos dos bastidores de "Extraordinário"

19:55:00

Foi divulgado recentemente as primeiras imagens do filme Extraordinário, baseado na obra de R.J. Palacio.


A adaptação do livro de R. J. Palacio tem estreia prevista para abril de 2017 nos EUA. O longa será dirigido por Stephen Chbosky, autor de As Vantagens de Ser Invisível. O roteiro ficará a cargo de Steve Conrad, de À Procura da Felicidade, e Todd Lieberman e David Hoberman serão os produtores do filme.

Notícias relacionadas

domingo, 31 de julho de 2016

Ator de 'Night Manager' se junta a Julia Roberts e Jacob Tremblay em 'Extraordinário'

17:44:00

Segundo o site The Hollywood Reporter o ator mirim Noah Jupe de "Night Manager" entrou para o elenco de Extraordinário (Wonder), juntando-se a Jacob Tremblay que interpretará Auggie, além de Julia Roberts e Owen Wilson.


Noah interpretará o melhor amigo de Auggie na escola.




A adaptação do livro de R. J. Palacio tem estreia prevista para abril de 2017 nos EUA. O longa será dirigido por Stephen Chbosky, autor de As Vantagens de Ser Invisível. O roteiro ficará a cargo de Steve Conrad, de À Procura da Felicidade, e Todd Lieberman e David Hoberman serão os produtores do filme.

Notícias relacionadas


Ator de Homeland entra para o elenco de Extraordinário

17:44:00

O site Deadline divulgou que Mandy Patinkin (Homeland) entrou para o elenco de Extraordinário (Wonder), adaptação do livro de R.J. Palacio que terá Jacob Tremblay no papel principal, além de Julia Roberts e Owen Wilson.


A adaptação do livro de R. J. Palacio tem estreia prevista para abril de 2017 nos EUA. O longa será dirigido por Stephen Chbosky, autor de As Vantagens de Ser Invisível. O roteiro ficará a cargo de Steve Conrad, de À Procura da Felicidade, e Todd Lieberman e David Hoberman serão os produtores do filme.

Notícias relacionadas

FOLLOW @ INSTAGRAM

Sobre Nós

PaperTowns

Criado em Março de 2013, o The Paper Towns surgiu como um simples blog voltado para o mundo da literatura. A proposta do The Paper Towns é, sem dúvida, criar entretenimento literário diversificado e diferenciado para seus leitores. Temos como objetivo, informar, dar opiniões, resenhar, tudo relacionado com o mundo literário.




Facebook

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *